3 Livros Mirabolantes para Seus Filhos

Tempo de leitura: 5 minutos

No vídeo de hoje, entrevisto o talentosíssimo Estêvão Marques, do Grupo Triii. Conversarmos sobre seus livros e seus projetos futuros. No fim do vídeo, ele deixa um pequeno presente para o dia das crianças. Assista!

Hoje nós estamos no espaço de mirabolâncias do grupo Triii. Ao meu lado está o Estêvão Marques.

ESTÊVÃO: Muito bem-vindo!

PROF. CARLOS: Estêvão, você é filho do Chico dos Bonecos, certo?

ESTEVÃO: Sim, sou mais um boneco do Chico dos Bonecos.

PROF. CARLOS: Você tem um trabalho muito vasto, já passou pelo grupo Palavra Cantada, faz parte do grupo Triii, lançou um site na internet. Eu gostaria de começar falando da série Histórias que Cantam.

ESTEVÃO: Ah, essa é uma série de livros, até o momento com 3, que resgata algumas histórias populares brasileiras. Temos “Pão pão pão”, “Sopa supimpa” e “Ei ei ei, Vanderlei”. Ela foi muito inspirada na coleção Disquinho, que é muito antiga e traz histórias cantadas, uma coleção muito musical. Tal coleção fez parte da minha infância, e eu quis trazer essa inspiração para fazer Histórias que Cantam. Por isso, além das histórias, cada livro vem acompanhado de um CD com 2 faixas: na primeira eu narro a história junto com o Fê e a Marina, integrantes do grupo Triii, e há muita música, brincadeiras; e a segunda faixa do disco vem só a parte instrumental, se você é pai, professor, você pode brincar com essa música contando a história do jeito que quiser.

PROF. CARLOS: Já que você mencionou professores e alunos, você sabe que lá na minha escola as crianças declamaram o “Pão pão pão” de cor?

ESTÊVÃO: Sim, mostrei o vídeo para o grupo Triii e todo mundo gostou muito.

PROF. CARLOS: O vídeo está disponível no YouTube, caso você aí de casa queira conferir. Mas vamos falar de outros livros. “Ei e ei, Vanderlei” é uma história do gênero de histórias acumulativas?

ESTÊVÃO: Sim, é uma história de canção acumulativa ou uma “lenga-lenga”, uma lenga-lenga que parece não ter fim. Trata-se da história de um macaco que perdeu a banana num tronco oco de uma árvore. Então o macaco pede ajuda ao lenhador, mas o lenhador estava com preguiça. O macaco vai falar com o soldado, para falar com o lenhador, para cortar o tronco onde estava a banana, e por aí vai. É muito legal quando o grupo Triii conta essas histórias num show, porque toda a platéia participa da história, nós contamos a história juntos.

PROF. CARLOS: E “Sopa supimpa”? Sei que temos um trava-língua difícil aqui.

ESTÊVÃO: “Sopa supimpa” veio de uma inspiração de um personagem do qual eu gosto muito, o Pedro Malazarte. Pedro Malazarte tem a famosa história da sopa de pedra, em que ele, para ganhar alguma coisa de uma velha avarenta, faz uma sopa de pedra. A velha, que era muito pão-dura, começa a dar os ingredientes para a sopa, e eu conto de uma maneira diferente, mirabolante, com muita música, muita brincadeira e as crianças podem ajudar a fazer essa sopa.

PROF. CARLOS: Os 3 livros da série – “Ei ei ei, Vanderlei”, “Sopa supimpa” e “Pão pão pão” – podem ser adquiridos em qualquer livraria e pela internet.

ESTÊVÃO: Sim, na internet é muito fácil achar em qualquer das grandes livrarias.

PROF. CARLOS: Estêvão, e quanto ao site que você está lançando?

ESTÊVÃO: No site www.estevaomarques.com, compartilhamos com professores e pais várias brincadeiras: brincadeiras musicais, dançantes, com trava-línguas. Estou compartilhando para o futuro projeto de um curso online.

PROF. CARLOS: Você pretende ministrar um curso online para pais e professores?

ESTÊVÃO: Sim, há muito tempo que, junto com o grupo Triii e o grupo Palavra Cantada, recebo vários e-mails e converso com professores que elogiam muito o nosso trabalho. Fonoaudiólogos usam. Isso me inspirou a criar novas brincadeiras, então resolvi uni-las juntamente com o conhecimento das “colheres musicais”. Brincadeiras com percussão corporal, copos, fazendo instrumentos com canos de PVC, fazendo o que eu chamo de reciclagem dos olhares. Se reciclarmos nossos olhares, começaremos a perceber que à nossa volta tudo pode se transformar em instrumento musical.

PROF. CARLOS: O blog “Como Educar Seus Filhos” certamente vai divulgar o seu trabalho e seremos seus parceiros. Nós gostaríamos de saber se você tem algum presente para as crianças…

ESTÊVÃO: Sim, tenho sim. Esse é o presente! Acredito que você tenha na sua casa uma colher. É possível transformá-la em várias coisas. Vou tocar, então, uma música colherística para vocês.

PROF. CARLOS: Estêvão, muito obrigado, foi um prazer tê-lo conosco!

ESTÊVÃO: Eu que agradeço, Carlos! Grande abraço.


Acesse abaixo a versão em áudio e faça o download para poder ouvir as dicas e atividades do prof. Carlos sempre que desejar.

Assine nosso super-mega-chique podcast no iTunes e receba nossos conteúdos em áudio, para escutar as dicas no carro ou em casa, pelo celular. Assine diretamente em seu computador pelo link bit.ly/cesf-podcast. É 100% gratuito. Se você quiser assinar pelo iphone, basta acessar o app “Podcasts”, que vem instalado no aparelho, e procurar por “Como Educar seus Filhos”. Caso você use Android, basta baixar o app Podcast Addict no Google Play e também fazer a busca por “Como Educar seus Filhos”. Além de publicarmos as versões em áudio de nossos conteúdos, produziremos conteúdos exclusivos para o podcast. Assine e deixe um review!


Se gostar do vídeo, não deixe de compartilhá-lo com seus amigos. Caso tenha alguma dúvida, comente aqui embaixo!
Se quiser receber em seu email nosso ebook ‘As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa’ clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

4 Comentários


  1. Olá!
    Eu gostaria de deixar meu agradecimento pela dica do Grupo Trii e de seus três livros “mirabolantes”. Meu filho acaba de completar dois anos e, nesse período, já compramos muitos livros que funcionaram e outros que simplesmente não despertaram seu interesse ou perderam a graça muito rápido (para ele e para mim). Um problema frequente que observo, especialmente em histórias com rimas, é a pobreza poética mais que franciscana… Parece que como é “para criança”, basta rimar “ão” com “ão” e “ado” com “ado” e está feito. Porém, somos, como o professor Nadalim bem explica, seres musicais, e as crianças percebem a diferença entre uma rima mal arrumada e a musicalidade poética genuína e de qualidade. Até agora, lemos apenas duas ou três vezes “A Sopa Supimpa” e o “Pão, Pão, Pão” (estou guardando o Vanderlei para mais tarde… rsrs). É impressionante como desde o primeiro contato meu filho ficou encantado e volta e meia está brincando e cantarola trechos do livro como o “vou, não vou” da velha ou o “amassa, amassa, amassa, amassa” do padeiro. Sendo assim, agradeço pela dica e enfatizo aos outros pais que vale o investimento!

    Responder
    1. Pâmela Arumaa

      Que maravilha, Flávia.

      Seu depoimento muito nos alegra. Que bom que os livros estão agradando ao seu filho.

      Abraços!

      Responder

  2. sou pedagoga e arteterapeuta quero muito comprar teus livros e saber mais sobre alfabetização como receber teus trabalhos.

    Responder
    1. Pamela Arumaa

      Olá, Isaura.

      Seu interesse muito nos alegra. Sugiro que entre para nossa lista VIP, para receber atualizações e conteúdos exclusivos. O link para se cadastrar fica logo abaixo do vídeo. 😉

      Abraço!
      Pâmela Arumaa – Suporte.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *