8 Razões para Aprender Escrita Cursiva

Tempo de leitura: 5 minutos

Ela já foi a favorita entre os educadores, e não ensiná-la parecia tão inconcebível como não ensinar a somar ou subtrair. Hoje, porém, a escrita cursiva vem perdendo espaço – e, a julgar pelo destino que teve em países como Estados Unidos e Finlândia, a tendência é que deixe de ser ensinada em muitas escolas. Existem, porém, bons motivos para que o ensino da escrita cursiva não seja abandonado.

Em tempo:

Pesquisas comprovam os benefícios neurológicos e cognitivos da escrita manual na educação de crianças, quando comparada à digitação em um teclado. O debate se limita ao tipo de letra manual a ser ensinado – se de fôrma (letra bastão) ou cursiva, e se o ensino desta última ainda se justificaria, tendo em vista que exames como o Enem, dentre outros, já aceitam a escrita de fôrma.

O ensino da escrita cursiva não deve ser abandonado, porque:

1. A letra cursiva imprime maior velocidade à escrita, e por isso tende a ser a escolha dos escritores mais eficazes. As constantes paradas da letra de fôrma seriam responsáveis por torná-la mais lenta. Kate Gladstone, especialista no ensino de escrita na Albânia, estima que, enquanto um estudante é capaz de anotar 100 palavras legíveis por minuto para acompanhar uma aula típica de universidade, um aluno escrevendo com letra de fôrma consegue registrar apenas 30 palavras (Freedman, 2005).

2. Letras conectadas, pensamento conectado. A letra cursiva, ao conferir maior velocidade à escrita, favorece a concentração, o foco, e auxilia na produção de textos mais coesos. O College Board americano, responsável por produzir e administrar o exame SAT, declarou em 2013 que redações escritas com letra cursiva tendiam a obter notas maiores do que as escritas com letra bastão. Embora isso não signifique que uma pessoa que prefira a letra de fôrma não possa produzir textos coesos, a maior eficiência proporcionada pela letra cursiva é, sem dúvida, um ponto a seu favor.

3. O aprendizado da escrita cursiva desenvolve a disciplina e contribui para a auto-estima do estudante. O processo de dominar a escrita cursiva envolve imitação de modelos, repetição e persistência. A criança que, gradualmente, conquista a destreza necessária para dominar a escrita cursiva experimenta uma sensação de capacidade, de ter passado a um outro nível. Essa é uma constatação que dispensa pesquisas científicas: crianças com “letra bonita” tendem a se orgulhar dessa habilidade, o que tem um impacto positivo em sua auto-estima.

4. Melhora a coordenação motora fina. Este ponto é quase auto-evidente: o traçado da letra cursiva recruta habilidades sensoriais, noções de orientação espacial, ajuda a criança a “adestrar” a mão para a execução dos movimentos corretos etc. No curso Ensine Seus Filhos a Ler – Pré-Alfabetização, há um módulo com atividades visomotoras que precedem o traçado de letras e números. Nelas a criança é convidada a, primeiro, dominar o lápis e traçar retas na horizontal, na vertical e na diagonal, fazendo todos os traços que depois serão sintetizados a fim de formar as letras. A introdução da escrita de letras não deve ocorrer antes que a criança seja capaz de dominar esses traços, uma vez que as letras são sínteses de traços.

5. O aprendizado da escrita cursiva permite o acesso a textos produzidos em… letra cursiva. E aqui não estamos pensando apenas na leitura de receitas médicas. Muitos originais de documentos, manuscritos de obras literárias e cartas que compõem nosso acervo histórico-cultural foram escritos em letra cursiva. Não aprendê-la representaria um obstáculo à compreensão desses importantes documentos. Evidentemente, a perda de uma habilidade, dificultando o acesso a obras de cultura, não pode ser considerada um “avanço” da educação.

6. Para os disléxicos, a escrita cursiva é uma terapia. Em excelente artigo sobre o tema, o prof. Luiz Faria esclarece que “dislexia é um transtorno do desenvolvimento da aprendizagem que afeta a leitura, não uma doença”. A profilaxia (prevenção) desse transtorno passa por atividades que reforcem a consciência fonológica, e, como já mencionado no item 1, a escrita cursiva tem esse papel. Marilyn Zecher, lingüista do Centro de Educação para Disléxicos Atlantic Seaboard (Maryland, EUA), afirma que estudantes com dislexia apresentam dificuldade para ler porque seu cérebro associa sons e letras de modo ineficaz. A escrita cursiva pode ajudá-los no processo de decodificação, porque integra a coordenação óculo-manual, a coordenação motora fina e outras funções cerebrais e de memória. Os alunos de Marilyn confirmam que, depois que passaram a utilizar a escrita cursiva, suas dificuldades em leitura e escrita diminuíram.

7. A letra cursiva constitui um componente importante no desenvolvimento de uma escrita pessoal. Mesmo os defensores da extinção do ensino da letra cursiva admitem que os escritores mais hábeis se valem de uma escrita híbrida, em que algumas letras são unidas e outras são separadas. Ou seja, a cursiva é um componente no desenvolvimento de uma escrita pessoal. Eliminá-la seria empobrecer esse processo, limitando as ferramentas expressivas do indivíduo.

8. Melhora a retenção do conteúdo estudado. Um estudo conduzido pela pesquisadora Karin Harman James, da Universidade de Indiana, demonstrou que estudantes universitários que haviam copiado um parágrafo empregando letra cursiva conseguiam, uma semana depois, se lembrar melhor de seu conteúdo do que os alunos que haviam utilizado letra de fôrma ou o teclado de um computador. A pesquisadora afirma, entretanto, que mais estudos são necessários para demonstrar a superioridade da escrita cursiva neste quesito.


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Receba em seu email nosso ebook “As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa”, um guia completo e totalmente gratuito para introduzir seus filhos no universo da Alfabetização. Clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

2 Comentários


  1. Boa Tarde,

    Gostaria por favor de dicas minha filha de 5 anos tem escrito seu nome de forma esplanada ou melhor espelhada, como devo proceder ?

    Att,

    Responder

  2. Concordo em tudo, porém, em casos onde a criança possua problemas motores, isto se torna uma tarefa muito árdua e pode frustar o aprendizado causando um prejuízo maior. Minha filha foi diagnosticada com DCD (developmental coordination disorders). A tentativa no aprendizado a letra cursiva foi uma experiencia deprimente para ela. Ha algum comentário adicional sobre a aplicação desta técnica nestes casos?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *