Atividades para Estimular as Funções Executivas dos 5 aos 7 anos

Tempo de leitura: 6 minutos

Este é o último artigo da série sobre estimulação das funções executivas. Hoje trouxemos atividades para crianças de 5 a 7 anos.

Nessa idade, as crianças começam a desfrutar melhor de jogos que envolvem regras, embora o nível de interesse varie bastante. Como um aspecto importante do desenvolvimento dessas habilidades é a presença constante do desafio, é importante escolher jogos complexos, mas não tão difíceis. À medida que a criança for se familiarizando com esses jogos, tente reduzir a participação dos adultos: o desafio é maior para a criança quando ela lembra e aplica as regras por conta própria.

Atividades indicadas nas postagens anteriores (dramatização de histórias, quebra-cabeças, pega-varetas, atividades de vida prática, lição do silêncio, etc.) podem continuar a ser praticadas com crianças nesta faixa etária, mas adapte as atividades, tornando-as mais complexas. Ofereça quebra-cabeças com mais de 40 peças. Busque aumentar a duração da lição do silêncio. Proponha atividades de vida prática mais instigantes, que exijam melhor coordenação motora fina, mais destreza e/ou maior concentração, além de proporcionarem maior autonomia à criança: atar cadarços de sapatos, dobrar as próprias roupas e guardá-las, cortar alimentos de média consistência com uma faca sem ponta, descascar legumes com um utensílio próprio, etc.

JOGOS DE CARTAS E DE TABULEIRO

Jogos de tabuleiro tradicionais

Jogos de tabuleiro tradicionais como Ludo, Trilha, Damas, Damas Chinesas, Resta 1, Batalha Naval e Xadrez envolvem decisões estratégicas e, portanto, exigem que a criança (1) aprenda e guarde as regras – que no xadrez são mais complexas que nos demais jogos -, (2) faça planejamentos a curto e longo prazo, (3) antecipe jogadas, (4) imagine possíveis jogadas do oponente e (5) adapte sua estratégia ao longo do jogo. A memória de trabalho, o controle inibitório e a flexibilidade cognitiva precisam trabalhar juntos para que tudo isso ocorra.

O jogo Senha é outro clássico. Nele, um jogador faz uma combinação de pinos que deve ser adivinhada pelo outro jogador. Por meio das pistas dadas pelo codificador, o decifrador terá de formular hipóteses e deduzir qual a senha correta, empregando para isso o raciocínio lógico. Embora recomendado para crianças com 8 anos ou mais, pode ser adaptado para as mais novas, reduzindo-se o número de itens da senha.

Outros jogos de tabuleiro

Para essa faixa etária, recomendamos anteriormente os jogos Cilada e Lince. Outra opção interessante é o jogo Hora do Rush, indicado para crianças a partir de 6 anos. A criança é desafiada a tirar um veículo de um congestionamento e, para isso, precisa mover os carros no tabuleiro sem infringir certas regras.

Jogos de cartas

Uma ótima forma de exercitar a memória de trabalho é através de jogos de cartas que exigem que os jogadores localizem cartas específicas. Os exemplos mais óbvios são o Jogo da Memória, encontrado no mercado com as mais variadas ilustrações, e o Mico. Ambos podem ser jogados com cartas simples de baralho.

Um pouco mais complexo é o Jogo das Sete Famílias, para 2 a 6 jogadores. A cada turno, os jogadores fazem perguntas uns para os outros no intuito de descobrir quem está com as cartas que completam certa família (“Quem está com o filho da família x?”) Vence quem consegue formar o maior número de famílias completas.

Jogos que requerem respostas rápidas e monitoramento também são bons desafios para a atenção e a inibição. O Tapão é um exemplo, e pode ser jogado por 3 pessoas ou mais.

Outras sugestões de jogos de cartas para essa faixa etária: Rouba-montes, Bom dia, meu Senhor, Borboleta e Mau-mau. Todos eles exigem atenção e memorização e aplicação de regras.

BRINCADEIRAS MUSICAIS

Canções acumulativas

Assim como há histórias acumulativas, há também canções acumulativas. Nelas, ocorre repetição por acumulação: os episódios se repetem e se acumulam. É o caso das canções “Árvore da montanha”, “A velha a fiar”, “Seu Lobato tinha um sítio” e “Mestre André”. Cante-as com freqüência para seu filho e proponha um desafio: ele terá de memorizá-las e cantá-las sozinho.

Cânones

Outra forma de exercitar a memória de trabalho, a atenção e a inibição é cantando cânones. Os cânones são peças musicais reproduzidas por duas ou mais pessoas que cantam exatamente a mesma melodia, mas iniciando em momentos diferentes. A composição é feita de maneira tal, que mesmo que cada pessoa comece a cantar em um momento diferente, as partes cantadas se harmonizam. Um famoso cânone é Frère Jacques – é muito simples e pode ser cantado por 2 a 4 pessoas. A primeira pessoa principia cantando “Frère Jacques, Frère Jacques”, a seguinte. No início, crianças sem prática de canto coral polifônico terão dificuldade em cantar em coro melodias que não sejam uníssonas; mas elas se adaptarão aos poucos.

Melodias com brincadeiras de mão

Brincadeiras de mão acompanhadas de melodias cantadas – como Adoleta, Escravos e Jó, Popeye e Nós somos quatro – treinam a memória de trabalho, a inibição e a flexibilidade cognitiva. Quando envolvem ritmos difíceis ou regras complexas são ainda mais desafiadoras e divertidas para as crianças, razão pela qual foram preservadas por muitas gerações e são praticadas ainda hoje.

ATIVIDADES FÍSICAS

Esportes e artes marciais

Artes marciais tradicionais como o Kung fu, o Karatê e o Tae Kwon Do, além de proporcionarem diversos benefícios motores e  o desenvolvimento da consciência corporal, favorecem a atenção, o controle dos movimentos, a formulação de estratégias e o raciocínio. Melhoram também a lateralidade e a orientação no tempo e no espaço, habilidades fundamentais para um bom desempenho em escrita. Mas é essencial buscar bons instrutores.

Jogos de bola como a Queimada exigem muita atenção, auto-controle, monitoramento constante, conhecimento e aplicação de regras e rápida tomada de decisões.

Estátua e Dança da Cadeira

Pratique jogos que demandam atenção e respostas rápidas. O jogo Estátua, já indicado para crianças menores, pode agora ser praticado com regras mais rigorosas, excluindo-se da partida aqueles que rirem ou fizerem pequenas movimentações quando em posição de estátua. A Dança das Cadeiras é uma alternativa muito conhecida, que também trabalha a atenção e a inibição.

Você pratica com seu filho alguma outra atividade que desenvolve essas habilidades? Compartilhe conosco!

Com informações do Centro de Desenvolvimento da Criança da Universidade de Harvard


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Receba em seu email nosso ebook “As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa”, um guia completo e totalmente gratuito para introduzir seus filhos no universo da Alfabetização. Clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

2 Comentários


  1. Bom dia professor,
    Estamos muito preocupados com o nosso filho,ele tem 6 anos e não sabe ler e tem muita dificuldade em memorizar.Faço algumas técnicas com ele, mais não estou vendo resultados satisfatórios! obrigada.

    Responder

  2. Adorei o artigo! As dicas de brincadeiras são fantásticas! Algumas crianças são mais imaturas e é preciso ter um pouco mais de paciência!! Acredito que estimular de forma correta é super importante!! Aos poucos os avanços vão aparecendo!!
    Aqui em casa as mudanças estão acontecendo assim, devagar mas consistentes.
    Muito obrigada!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *