Por que Meu Filho é tão Inquieto?

Tempo de leitura: 3 minutos

Uma reclamação cada vez mais freqüente de pais e professores está relacionada à falta de concentração das crianças. Muitos pais relatam que o filho apresenta dificuldade de permanecer sentado, de controlar a impulsividade, de ouvir com atenção, de manter o foco visual. A criança martela a régua sobre o livro, rói o lápis, batuca com os pés no chão, fica “gangorrando” na cadeira. Como não consegue aquietar-se para receber o conteúdo transmitido ou para escutar o que seus pais têm a dizer, tem dificuldade de recordar o que foi dito ou ensinado e até de repetir as instruções mais simples.

O diagnóstico parece evidente: a criança sofre de algum distúrbio do aprendizado. O leque de opções é vasto e não pára de crescer: transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), distúrbio do processamento sensorial, dislexia, disgrafia, e assim por diante. Parece não haver fim para a quantidade de transtornos do desenvolvimento identificados pelos especialistas nos últimos anos. E isso deveria nos deixar perplexos: afinal, o que está acontecendo com nossas crianças?

Um fato importante a ser observado é que, a cada geração, o aumento da exigência sobre o sucesso acadêmico de crianças cada vez menores tem sido acompanhado da progressiva redução do tempo dedicado às atividades corporais energéticas. É comum hoje em dia acreditar que o fator determinante para o aprendizado é o tempo que se passa sentado em sala de aula, estudando. A “aula de Educação Física”, espremida no currículo escolar entre as “matérias importantes”, é vista por muitos com uma certa desconfiança. O resultado disso é que o corpo das crianças nunca esteve tão despreparado para aprender: a criança precisa movimentar-se para ter condições de aprender melhor.

Pesquisadores nos Estados Unidos têm descoberto que muitas crianças em idade escolar apresentam problemas relacionados à postura, deficiências no sistema vestibular (equilíbrio e coordenação), falhas no desenvolvimento da musculatura do core (força nuclear corporal) e sobrecarga sensorial (excesso de estimulação visual, auditiva etc.), o que tem um impacto direto sobre o desenvolvimento cognitivo e, conseqüentemente, sobre o desempenho acadêmico.

Para piorar a situação, hoje é comum trocar o “brincar lá fora” por jogos de videogame ou exposição a monitores, e assim a criança permanece sentada por ainda mais tempo. Além disso, a excessiva exposição a monitores provoca sobrecarga sensorial, que pode desencadear na criança, dentre outros sintomas, irritabilidade, dificuldade de interação social, fotofobia, dificuldade de concentração, excessiva sensibilidade a barulhos ou a certos estímulos físicos (como o toque), tensão muscular, distração, problemas do sono e surtos de agressividade.

Dada essa situação, antes de buscar diagnósticos psiquiátricos, é importante investigar se seu filho está se exercitando na quantidade exigida por seu corpo, de modo a criar condições físicas adequadas ao desenvolvimento cognitivo. Duas horas de futebol por semana não são suficientes. As atividades precisam ser diárias – embora muito simples -, pois são tão necessárias ao desenvolvimento de seu filho quanto o alimento e o sono.

Não é sem razão nossa insistência na prática de ginástica pelas crianças, bem como de atividades de normalização e de psicomotricidade.

Por isso, o “brincar lá fora” – correndo, subindo em árvores, brincando nas barras, rolando na grama ou na terra, pulando amarelinha, saltando, jogando queimada ou peteca etc. – é coisa muito séria. Habilidades motoras pouco desenvolvidas podem comprometer o desenvolvimento cognitivo e o aprendizado da criança.

Por isso, se você quer realmente ajudar seu filho a aprender, antes de sentá-lo numa cadeira e enchê-lo de folhas de atividades, deixe que ele se movimente! Confira estas dicas: elas podem lhe servir de inspiração.


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Receba em seu email nosso ebook “As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa”, um guia completo e totalmente gratuito para introduzir seus filhos no universo da Alfabetização. Clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

2 Comentários


  1. ” Habilidades motoras pouco desenvolvidas podem comprometer o desenvolvimento cognitivo e o aprendizado da criança” achei interessante essa afirmação. Tem algum artigo para indicar sobre esse tema?.. grata

    Responder

  2. Oi Pessoal.

    Lendo sobre transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), me parece que meu filho de
    10 anos tem todos os sintomas, como por exemplo, ensinamos algo e depois de alguns minutos não lembra, não responde corretamente o que aprendeu.

    Minha pergunta, o TDAH é apenas uma teoria ou já está comprovado?

    No aguardo de seus comentários, desde já agradeço.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *