Socorro, Meu Filho Não me Escuta!

Tempo de leitura: 5 minutos

Você tem dificuldade em fazer com que seu filho preste atenção às suas instruções e obedeça aos seus comandos? Às vezes ele parece “desligar os ouvidos” de propósito e o deixa falando com as paredes? Essa experiência frustrante na comunicação com os filhos é uma queixa freqüente que recebemos dos leitores do blog. Mas, antes de achar que seu filho (ou você) tem algum problema, é preciso lembrar que, muitas vezes, a raiz dessa dificuldade está na falta de compreensão dos pais quanto ao “funcionamento” da criança.

Enquanto o adulto já aprendeu os códigos necessários à vida em sociedade, precisando assim de muito menos explicitação para entender o que se espera dele, a criança ainda não tem esse treino: para ela, tudo tem de ser mais explícito e direcionado. Isso se aplica especialmente às crianças com menos de 7 anos. Quando os pais compreendem essa realidade e passam a ter uma postura diferente com relação aos filhos, sua ação, porque mais consciente, tende a tornar-se mais eficaz.

Esse tema já foi abordado anteriormente no blog, mas vale a pena retomar os pontos principais. Confira abaixo algumas sugestões para estabelecer uma comunicação eficaz com seu filho no momento da emissão de ordens:

  1. Aproxime-se da criança. Não espere que seu filho o obedeça se você grita as instruções pela casa. Se pretende que ele leve a sério o que você diz, aproxime-se dele, olhe-o diretamente e emita a instrução com firmeza – sem gritar. Essa é a terceira dica dada neste vídeo, a qual mostra como evitar o cruzamento de interesse com os objetivos estabelecidos por seu filho, o que também pode gerar desobediência.

Neste outro vídeo, há uma prática que funciona bem com crianças pequenas, que precisam de uma explicitação ainda maior: agache-se para ficar na altura de seu filho, olhe-o nos olhos e emita a ordem. Para aumentar o foco de atenção, formule pedidos claros, como: “Filho, eu preciso de seus olhos”, ou “Filho, eu preciso de seus ouvidos”. Isso funciona melhor do que dizer: “Preste atenção!” – o que não passa de um pedido genérico, sem uma ordem precisa.

  1. Seja breve. Ao emitir uma ordem para uma criança mais nova, não use mais palavras do que o necessário, pois isso prejudicará a eficiência da comunicação.
  1. Use a voz a seu favor. Se você se irrita com a desobediência de seu filho e começa a gritar, pelo menos um resultado é garantido: você lhe transmitirá a impressão de ser uma pessoa descontrolada. Por isso, se as circunstâncias não exigirem que você grite (para afastá-lo de um perigo iminente, por exemplo), em vez de gritar, treine abaixar o volume da voz, forçando seu filho a escutá-lo. Pode não ser fácil no começo, mas isso lhe conferirá mais autoridade e treinará seu autodomínio.
  1. Cante as instruções. Crianças pequenas ainda não têm o treino necessário para a utilização eficaz da memória. Por isso, encadear instruções numa melodia fácil de guardar funciona muito bem com elas. De fato, cantar pode ser a chave para que elas realizem de boa vontade uma atividade da qual não gostam (seja lavar o cabelo, fazer a cama, guardar os brinquedos ou escovar os dentes). Na internet, você poderá encontrar algumas musiquinhas que acompanham essas tarefas. Com um pouco de criatividade, você poderá inventar algumas ou encaixar as instruções a melodias de canções que seu filho adora. Ah, e não se esqueça de compartilhá-las conosco!
  1. Espere seu filho se acalmar. Se seu filho estiver muito agitado ou sob stress emocional, não adianta esperar que ele obedeça aos seus comandos. Ajude-o a se acalmar, dê-lhe um tempo, e só então emita a ordem novamente.
  1. Verifique se há um problema pré-existente. Muitas vezes, a irritabilidade em crianças e a conseqüente desobediência decorrem de fome, falta de sono, problemas relativos à higiene ou quebra na rotina. Não adianta esperar obediência se um desses problemas está atrapalhando o funcionamento normal da criança.

Sono, higiene, alimentação e ordem são os 4 hábitos básicos abordados pelo Dr. Italo Marsili neste vídeo. Nunca é demais enfatizar que, antes de esperar bons resultados, é preciso criar condições favoráveis. Daí a importância de tomar consciência sobre as circunstâncias que estão afetando seu filho, corrigindo eventuais falhas e aumentando a harmonia familiar.

  1. Saiba escutar. Da mesma forma como você espera que seu filho o escute com atenção, é preciso demonstrar capacidade de escutá-lo. Mas isso não significa ceder aos seus protestos, ou entrar em discussões desnecessárias. Seu filho deve entender que certas ordens não estão abertas a negociação, ainda que você ouça o que ele tem a dizer.

Caso seu filho comece a questionar suas ordens, vale testar uma técnica que o Dr. Italo Marsili propõe: a técnica do disco riscado, que evita discussões desnecessárias. Consiste em focar e insistir na instrução. Funciona assim:

— João, guarde o seu brinquedo

— Mas por que sempre eu?

— Guarde o seu brinquedo, por favor, naquele baú.

— Mas isso não é justo!

— Guarde o seu brinquedo, por favor.

Se ele começar a chorar, ajude-o a guardar os brinquedos.

Gostou das dicas?


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Receba em seu email nosso ebook “As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa”, um guia completo e totalmente gratuito para introduzir seus filhos no universo da Alfabetização. Clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

 

8 Comentários


  1. Amo o blog é o meu manual de instruções. Obrigada por nos ajudar nesta tão linda missão.
    Como faço para adquirir o curso?
    Obrigada e aguardo retorno.

    Responder

  2. Parabéns pelas digas claras e simples. Muito útil também para os professores em sala de aula e para as reuniões com os pais.

    Responder

  3. Olá tenho 21 anos e meu filho, Arthur Felipe, tem 4 meses, vejo muito seus vídeos e leio seus artigos, tenho muito desejo de comprar seu curso e creio que não vou esperar muito, quando ele tiver 1 ano ou 1 ano e meio estarei adquirindo. Fui alfabetizado em casa pela minha mãe e isso me proporcionou “saltar” a alfabetização na escola regular, creio que isso não é mais possível, mas realmente apesar de não ter feito a alfabetização regular continuei sendo um dos melhores alunos da turma, além disso quero ter a oportunidade de fazer parte dessa fase brilhante que é o inicio da leitura e escrita.
    Que Deus continue a abençoar seus lançamentos e seu público atingido.

    Responder

  4. Oi, eu amo seus artigos, são simples e práticos de aplicar.
    Tive uma dúvida: Diante de uma ordem dada a uma criança, por exemplo, que esteja com sono ou um dos problemas preexistentes, mas ainda assim é preciso que ela faça o que pediu. Como agir nesse caso??
    Exemplo: está com sono mas precisa tomar banho ou escovar os dentes, está com fome mas precisa lavar as mão… são coisas que não tem como você resolver antes de da ordem dada (claro que não precisa ser tão rígida a ponto de não poder dormir nenhum mísero dia sem escovar os dentes), mas enfim. Como agir diante da irritabilidade, mas precisamos da ordem cumprida??

    Obrigada!!
    Gesiane.

    Responder

    1. Kkkkk. Acontece demais.
      Acho que aí a gente tem que chegar junto e fazer junto, o comando não funciona mais.
      Aí o teor da nossa resposta varia (não devia variar, mas varia) conforme nossa paciência: desde pegar no colo e ir contando a história da criança dormindo que fazia tudo dormindo… e aí ela vai abrindo a boca de olho fechado mesmo e vc escova os dentes até fazer o xixi dormindo… até o caso mais grave de um ligeiro puxão no órgão da obediência*, que também ajuda.

      *o órgão da obediência é o lóbulo da orelha.

      Responder

  5. Gostei das dicas algumas delas ja utilizo com meu pequeno aqui em casa ele tem 4anos e 10meses muito esperto bem humorado mas agora entramos na fase dura e dificil….a que ele argumenta:todo mundo tem ou todo mundo faz…e nao sei direito oq fazer nessa hora…sugestões?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *