5 Músicas Clássicas que seu Filho não Pode Deixar de Escutar

Tempo de leitura: 4 minutos

Em nosso artigo anterior, dissemos que as crianças precisam adquirir um rico vocabulário de escuta e ser expostas às mais variadas formas de música.

Neste artigo, traremos cinco indicações de peças musicais da tradição clássica ocidental que podem contribuir para o enriquecimento desse primeiro e importantíssimo vocabulário musical, todas sugestões do norte-americano Edwin Elias Gordon (1927-2015). Antes, porém, gostaria de apresentar a todos os leitores um pouco sobre essa importante personalidade da educação musical.

Edwin Gordon e a audiação

Gordon iniciou sua carreira como contrabaixista, tocando tanto jazz quanto música clássica. Logo se interessou pela psicologia da música e passou a pesquisar sobre a aptidão musical. Seus princípios para educação musical podem ser sintetizados em três afirmações:

  1. O som deve vir antes da visão. Isto é, primeiro aprende-se a escutar e a tocar, depois se aprende a ler partituras;
  2. Aprende-se música da mesma forma como se adquire a língua. Ou seja, pela aquisição, pelo domínio e pela execução de vocabulários progressivos.
  3. Há uma sequência correta para aprendizagem musical.  É necessário ir do mais simples para o mais complexo, separando a parte rítmica da parte melódica da música.

No início dos anos 1980, Gordon criou a palavra audiação. É isso mesmo, você não está lendo errado! Audiação tem um “a” a mais que a palavra audição.

O termo designa a capacidade de ouvir e compreender musicalmente quando o som não está fisicamente presente. A audiação está para a música assim como o pensamento está para a linguagem.

Para a criança poder praticar a audiação, ela precisa, antes de tudo, de um vocabulário de escuta desenvolvido.

O próprio Gordon indica algumas músicas, apresentadas a seguir com dicas práticas de aplicação.

Peças musicais para escutar com seu filho
  1. “O Cisne”, de O carnaval dos animais, de Camille Saint-Saëns – Clique aqui e ouça!;
  2. “Balé dos pintinhos em suas cascas de ovos”, de Quadros de uma exposição, de Modest Mussorgsky – Clique aqui e ouça!;
  3. “Pavana da bela adormecida”, de Mamãe Ganso, de Maurice Ravel – Clique aqui e ouça!;
  4. “Vivo”, de Pulcinella, de Igor Stravinsky – Clique aqui e ouça!;
  5. “Allegro”, de Três pequenas peças, de Jacques Ibert – Clique aqui e ouça!.

Cada uma das peças relacionadas tem uma característica especial. Por exemplo, “O cisne” destaca o timbre do violoncelo, já “Allegro”, de J. Ibert, é tocada apenas com instrumentos de sopro. Porém o mais importante para as crianças é que são peças instrumentais, quer dizer, não há letra nelas.

Do ponto de vista da aculturação musical, é muito importante que as crianças escutem músicas sem texto, porque o texto desvia da música a atenção da criança. Não que ela não deva jamais escutar ou mesmo cantar músicas com texto. Todavia ela deve ter a oportunidade de poder se familiarizar com aspectos e qualidades musicais que o texto esconderia. Se “O cisne” fosse cantada, a criança perderia a oportunidade de conhecer o timbre do violoncelo.

Além de serem puramente instrumentais, as peças são curtas. As crianças muito pequenas prestam atenção por um período muito curto, às vezes por apenas alguns segundos.

Entretanto não se preocupe caso ela não esteja atenta. E por favor, não interrompa a música se a criança se movimentar pela sala ou em qualquer outro lugar onde vocês estão escutando música. O movimento é uma forma ativa de escuta da criança!

Uma dica que funciona: movimente-se com seu filho durante a audição das músicas. Pegue-o no colo e vá conduzindo seus movimentos de forma livre e fluida. Evite movimentos estereotipados, como imitar pintinhos durante “Balé dos pintinhos em suas cascas de ovos” ou marchar de forma rígida quando o ritmo for bem marcado.

Mais uma dica: pode-se criar um ambiente musical, com a música em volume baixo ou moderado durante o tempo em que as crianças estiverem acordadas ou ainda enquanto dormem, com volume quase inaudível. Fará muito bem para elas!

Por último, uma advertência! Jamais force a criança a escutar música nem movimente partes do corpo dela sem que ela faça por si mesma. Ela precisa associar à música sensações prazerosas e não obrigação ou desconforto.

Novamente, fique à vontade para tirar suas dúvidas. Espero também que você possa nos contar como tem sido sua experiência com seus filhos nessa área.

Até a próxima!


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Receba em seu email nosso ebook “As 5 Etapas para Alfabetizar seus Filhos em Casa”, um guia completo e totalmente gratuito para introduzir seus filhos no universo da Alfabetização. Clique aqui: https://goo.gl/FDS4xU.

14 Comentários


  1. Oi, Robson!
    Bem legais as suas dicas!
    Eu faço um trabalho voluntário na Escola de rock de Bruxelas. Fui convidada porque o pessoal lá tinha demanda pra fazer música com crianças de 0 a 4 anos mas não tinham a menor ideia de como fazer.
    Será que você pode me dar mais sugestões?
    Eu estou procurando temas na música clássica para trabalhar intensidade, caráter expressivo e andamento.
    Obrigada!
    Bruna Critchi

    Responder

  2. Adorei o texto! Obrigada!
    Procurei no Spotify a versão com o violoncelo, mas não encontrei. Vou baixar do YouTube mesmo.
    Entretanto, despertou-me uma dúvida: a criança escutar diversas versões da mesma música é enriquecedor, ou é estímulo demais e atrapalha?

    Responder

  3. Muito legal . Meu filho ainda não nasceu mas já coloco ele pra escutar música , agora sempre colocarei essas músicas .

    Responder

  4. Muito legal. De uns tempos para cá, resolvi ouvir mais música clássica, pois não tinha esse costume. Há uns anos estudei um pouco de música para tocar órgão.
    Desisti porque não tinha muita coordenação para ler as notas, contar seu tempo, dedilhar dois teclados mais a pedaleira, etc…rs…Mas eu adorava…
    Com certeza quando eu tiver filhos, vou querer que tenham bastante contato com a música.

    Responder

  5. Robison Poreli, parabéns por nos ajudar. Mas, estou tendo dificuldades na aquisição das músicas. Na minha época era fácil. Tinha o vinil. Hoje, tem a internet, mas para a minha filha (está com quase 2 meses) teria que baixar as músicas para um pen drive, pois fica mais comodo de transportar numa caixa de som. Das dicas sobre ”5 músicas clássicas que seu filho não pode deixar de escutar” só consegui baixar para o pen drive duas. As outras tenho no youtube.
    Pergunto: existem ‘lojas’ para que eu compre essas músicas e passe para o pen drive? Não só essas músicas, mas todas possíveis (kkkkk).
    Obrigado.

    Responder

    1. Helder, você pode baixar as músicas do próprio Youtube. Procure na internet “Youtube to mp3”.

      Responder

  6. Parabéns! Estamos em uma fase de nossa cultura / educação na qual precisamos de orientadores competentes que utilizem linguagem simples, clara, mas, com propriedade. Penso que você tem feito isso nestes curtos artigos aqui publicados. Vida longa a este trabalho!

    Responder

  7. Prezado professor Robison,

    tenho uma dúvida: meu pai sempre gostou de escutar música e colocava os discos de vinil — jazz, música clássica, trilhas sonoras de filmes, rock, etc. — para tocar desde a época que eu ainda não tinha nascido; nos meus primeiros anos de vida isso se tornou, segundo ele, na minha hora favorita do dia. Com 6 ou 7 anos guardava as músicas na memória e, enquanto as ouvia, acompanhava o ritmo delas com as mãos, batendo-as nos joelhos. Até hoje — aos 26 anos — não aprendi a tocar nenhum instrumento nem a ler partituras. O que o senhor me recomenda?

    Abraços,

    Samuel.

    Responder

  8. Muitíssimo agradecida pelas indicações, Robson Poreli! Que músicas maravilhosas! O título do artigo deveria ser: ” 5 músicas clássicas que VOCÊ e seu filho não podem deixar de escutar” (rsrsr). Hoje ouvimos a de número 5 “Allegro” e pedi para que eles ouvissem a música e fizessem o movimento que sentissem vontade de fazer por meio da resposta para a pergunta: “essa música te faz pensar em algo?”. A Clara (5 anos) imitou uma “borboleta batendo as asas” e o Estêvão (4 anos), um “sapo pulando alegremente na lagoa” (rs) e o Tomás (1 ano) só observou (rs). Muito bom! 🙂

    Responder

  9. Excelente texto Robison. Destas cinco sugestões só conheço a primeira, agora vou adicionar as outras a rotina.
    Escuto muito com minha filha de 2.6 anos Pedro e o lobo – Prokofiev, A Valquiria – Wagner (ela ama a cavalgada) e As quatro estações – Vivaldi.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *