Como Saber se Estou Cumprindo Bem o meu Dever de Pai?

Tempo de leitura: 7 minutos

“Será que estou sendo um bom pai para meus filhos? Estou cumprindo bem o meu dever?” O dr. Italo ajuda você a responder a essas perguntas, apontando 5 pontos da relação entre pais e filhos que precisam de mais atenção.

Hoje quero conversar com você sobre o assunto da realização pessoal na relação entre pais e filhos. Talvez haja muita expectativa nesse termo “realização pessoal”, talvez seja muito difícil alcançar a “realização pessoal” em algum relacionamento. O que podemos falar com muita certeza, entretanto, é que existe uma sensação de dever cumprido na relação entre pais e filhos.

A psiquiatria nos mostra, em escala, 5 pontos sobre os quais quero tratar com você hoje. São pontos sobre essa realização pessoal, que prefiro chamar de dever cumprido. Vamos lá!

Como um pai ou uma mãe consegue ter essa percepção, ao final de um dia, um mês ou um ano, dessa sensação de dever cumprido ou de realização pessoal entre eles e seus filhos? Vamos discorrer sobre esses 5 pontos que podem mostrar as áreas de combate, aquelas áreas que devemos focar nessa relação pai e filho para alcançar a sensação de dever cumprido.

1. Facilidade em entender sentimentos: o primeiro ponto a analisar é este. Eu sou capaz de entender facilmente aquilo que meus filhos sentem? Isso é muito importante. Nós temos uma sensação de grande desorientação se não entendemos aquilo que nosso filho sente. Por exemplo, é comum pais de bebês se questionarem sobre os pensamentos de seus filhos. “O que será que ele está pensando?” ou “No que meu filho pensa?”. Isso acontece com pais de bebês de 2 e 3 meses. Entrou no imaginário ocidental, por meio de filmes como Olha quem está falando, a idéia de que um bebê consegue pensar com as mesmas categorias que um adulto. Isso não é assim. Não é possível que seja assim porque o bebê ainda não tem o amadurecimento cognitivo e todas as faculdades antropológicas de pensamento que permitem que alguém pense como adulto. Um bebê não pensa como adulto, e nós não podemos criar tal expectativa sobre ele. É preciso entender que seu bebê está sentindo e se adaptando. É importante esse olhar e essa preocupação sobre o que seu filho está sentindo. Quando o bebê começa a se desenvolver e a ficar mais velho, é preciso saber identificar e descompactar esses sentimentos: o que é um choro de pirraça, de manha, de fome. Isso é importante para que possamos nos orientar e dar o remédio específico para cada situação. Saber o que o filho sente é muito importante para que possamos ter a percepção de realização ou dever cumprido.

2. Capacidade de cuidar dos problemas de modo eficaz: este ponto é mais material. Nele nós precisamos observar se somos capazes de cuidar dos problemas de nossos filhos de modo eficaz. Saber o que seu filho precisa a todo instante, não como uma obsessão, mas como algo natural. Qual a melhor dieta para ele? Ele tem alguma dificuldade ou necessidade específica? Ele está com o cabelo cortado e as unhas aparadas? A roupa está bem passada? O uniforme do colégio está em dia (o que evita aquela correria na manhã do dia seguinte)? Isso é importante para que a gente vá acalmando o ambiente e possamos conquistar a percepção de que estamos cumprindo aquilo que é nosso dever e conquistemos uma posição de mais confiança, uma posição mais segura, ganhando, é claro, a sensação de dever cumprido e realização pessoal.

3. Dar um bom exemplo: este terceiro ponto envolve todo o campo dos exemplos. Por meio da minha função de pai ou mãe, eu influencio bem o meu filho? Isso é muito importante. Aqui vai uma máxima: “Nossos filhos vão se parecer mais com aquilo que a gente é do que com aquilo que a gente diz que eles devem ser”. Uma das maiores influências que as crianças recebem vem do nosso exemplo. Se somos muito agitados, as crianças tenderão a ser agitadas. Se somos muito apáticos, elas tenderão a uma apatia ou, ao contrário, terão uma hiper-reação para que ela possa nos mobilizar. Se praticamos uma atividade esportiva, é mais fácil que nossos filhos desenvolvam essa habilidade. Se temos uma religião e a praticamos com constância, é mais fácil que meu filho pegue gosto pela prática da religião. E assim por diante. O exemplo é o grande pedagogo, é a grande ferramenta pedagógica na relação entre pais e filhos. Devemos sempre estar atentos a isso. Nossos filhos vão se parecer mais, repito novamente, com aquilo que a gente é do que com o que dizemos para eles serem.

4. Capacidade de criar um ambiente descontraído: precisamos avaliar nossa capacidade de criar um ambiente descontraído em nossa casa e em nossa família. Se temos aquele ambiente muito tenso em que prevalecem os comandos a todo instante ou se temos a característica de aporrinhar nosso filho, precisamos colocar na cabeça o seguinte: a obediência das crianças não aparece a partir de comandos, mas a partir de um ambiente. É nesse ambiente que a criança deve ser mover. A descontração é um elemento central aqui, pois é ela que deixa todo mundo mais relaxado – no bom sentido do termo. A descontração deixa todo mundo mais bem instalado naquilo que de fato somos. Não precisamos criar figuras ou personagens para interagir. Na descontração podemos nos reconhecer a partir da centralidade da nossa pessoa. O ambiente descontraído é muito importante, mas como criá-lo? A primeira coisa que eu diria é: dê apenas as ordens necessárias. Não fique aporrinhando a criança com comandos desnecessários. Vamos guardar as ordens para o que de fato é importante. Aquilo que puder ser abordado de outro modo deve ser abordado de outro modo. Em vez de dar um comando, podemos fazer a atividade junto com a criança, mostrar como faz etc.

5. Lidar com crises de forma calma: no quinto e último ponto devemos analisar se somos capazes de lidar com as crises emocionais de forma calma. Uma criança que está dando um “piti”, que está no meio de uma birra ou fez uma grande pirraça não deve ser abordada com uma hiper-reação afetiva. Não adianta chegar para a criança gritando ou olhando com cara de ódio. O modo calmo e seguro, às vezes até severo, é a melhor maneira de lidar com as crises emocionais de nossos filhos. Se eles notam que não perdemos o controle, eles tendem a voltar para o eixo mais rápido. Pelo contrário, se nos descabelamos, se perdemos o controle afetivo, nós alimentamos esse estímulo na criança e ela continuará dentro do descontrole emocional.

Espero que você continue nos acompanhando ao longo destes vídeos. Teremos uma aula no dia 10 de julho sobre a Afetividade Infantil e a Harmonia Familiar. Para participar basta se cadastrar. Espero você lá! Grande abraço!


Faça o download da versão em áudio e ouça essa dica quando quiser!

Assine nosso podcast no iTunes e receba gratuitamente nossos conteúdos em áudio. Assine em seu computador pelo link bit.ly/cesf-podcast. Siga-nos e deixe um review!


Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

Para assistir à aula sobre como criar filhos obedientes, tranquilos e felizes, clique aqui: http://bit.ly/2sqdmfz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *