Seu Filho se Considera Burro ou Incapaz?

Tempo de leitura: 7 minutos

Imagine a seguinte cena: duas mulheres conversam andando pela calçada e um menino, de 6 ou 7 anos, vem logo atrás. De repente, a criança leva a mão ao rosto e começa a chorar. As mulheres olham para trás e se voltam para o menino, quando uma delas pergunta: “O que foi, filho? Por que está chorando?”. A criança tira a mão do rosto e, aos prantos, diz: “Eu bati meu rosto no poste! Eu sou muito burro mesmo!”

Situações como essa são reais.  Mais do que o sofrimento físico, o choro daquele garoto exprimia uma dor emocional. Aquele incidente acionou um gatilho que parecia confirmar a crença que ele tinha a seu respeito: “sou muito burro mesmo”.

Quando a criança sinaliza insatisfações como essas é importante que os pais busquem encontrar o que está gerando essa crença. Mas o que faz uma criança acreditar que é burra ou desatenta? Que situações ela pode ter vivenciado para fazer aquele juízo sobre si mesma?

Cuidado com as críticas, depreciações e comparações descabidas

Seja em casa ou na escola, receber somente críticas, ameaças e comparações descabidas pode aumentar o sofrimento da criança. É claro que cada uma as recebe de modo diferente. Para algumas, mesmo as críticas mais mordazes e as comparações constantes com os colegas e irmãos soarão como desafios, alimentando por vezes uma vontade de crescer, de estudar mais, de se exercitar mais – embora isso muitas vezes se dê em clima de competição. Em outras, contudo, as críticas freqüentes, quando não acompanhadas de uma sugestão de como corrigir o problema nem equilibradas pelo reconhecimento de algumas das qualidades da criança, podem alimentar as frustrações, o desânimo e desmotivar a criança.

Observe se você não está fazendo com que seu filho se sinta incapaz, dizendo sentenças como estas:

  • “Você nunca presta atenção em nada!”
  • “Por que você faz tudo errado?”
  • “Quantas vezes vou ter que repetir a mesma coisa até você entender?”
  • “Por que você não é como a sua irmã? Ela sempre tira notas boas.”
  • “Você não tem jeito mesmo!”
  • “Desisto de você! Você não aprende!”

Usar termos depreciativos ou rotular a criança apontando suas dificuldades, sem dar uma direção, pode minar sua auto-confiança. A longo prazo, ela pode se sentir fracassada, não ter iniciativa para tentar algo novo, ou tornar-se incapaz de superar uma dificuldade, resolver um problema ou solucionar um conflito.

As críticas são necessárias para que a criança veja em que está errando. Mas devem ser objetivas e buscar indicar uma maneira de superar as dificuldades e deficiências. Chamar a criança de “burra”, “devagar” ou “desatenta” não fará com que ela se converta em inteligente, rápida e atenta. Mas  apontar erros de maneira objetiva, ajudá-la a resolver um exercício quando for preciso, repetir várias vezes uma lição que ela ainda não compreendeu e buscar maneiras diferentes para explicar algo podem ajudar a criança.

Dificuldade para aprender não é atestado de burrice

Aprender a ler e a escrever não é fácil. É preciso prática, paciência e perseverança, além, é claro, do bom desenvolvimento das habilidades motoras e cognitivas. Durante o processo, ao se comparar – ou ser comparada – com outras crianças ou ao cometer erros com certa freqüência é normal a criança se sentir desestimulada.

Um ponto fundamental é ajudar a criança a perceber que o fato de apresentar uma determinada dificuldade ou transtorno de aprendizagem não significa que ela seja burra.

Na verdade, seja qual for a dificuldade que a criança esteja enfrentando para aprender um conteúdo ou realizar uma atividade, é importante mostrar que se trata apenas de um obstáculo e, como tal, será preciso mais esforço para vencê-lo.

Dê exemplos de superação e perseverança

Uma boa dica para ajudar a criança a lidar com a sensação de fracasso, incompetência e frustração é mostrar exemplos de superação e perseverança. Se o seu filho gosta de esportes, procure exemplos de esportistas que superaram dificuldades e tiveram determinação para alcançar seus objetivos.

As biografias são ótimas maneiras de mostrar às crianças como pessoas de destaque de várias áreas diferentes conseguiram driblar os mais diversos obstáculos: pobreza, deficiência físicas e mentais, problemas de aprendizado, perseguição, violência, doença, etc. Thomas Alva Edison, inventor da lâmpada elétrica, do fonógrafo e do cinematógrafo, teve vários problemas na escola e seu professor dizia que ele custava a aprender. São João Maria Vianney, padroeiro dos sacerdotes, era tido por muitos como um ignorantão incapaz de dar prosseguimento aos estudos, de fazer sermões ou atender confissões, mas superou as dificuldades e tornou-se excelente confessor e pregador, além de zeloso pároco.

Outra opção é usar o personagem de uma história. Certamente vocês vão encontrar em histórias inúmeros exemplos de superação e perseverança. Use a empatia que seu filho tem por um personagem para lhe mostrar como conquistar um objetivo. A leitura poderá levá-lo a concluir que, se o personagem conseguiu, ele também é capaz. Essa é uma lição essencial para toda a vida!

No “Livro das Virtudes” e no “Livro das Virtudes para Crianças”, ambos de William J. Bennett há uma seção chamada “Perseverança” (ou “Coragem e Perseverança”) com vários bons textos, como as fábulas “A tartaruga e a lebre” e “O corvo e o vaso”, os contos “O pequeno herói da Holanda” e “As estrelas do céu”.

Ajude a criança a encontrar seus pontos fortes e suas áreas de interesse

Ajudar a criança a descobrir seus pontos fortes e áreas de interesse também é uma excelente maneira de fortalecer a autoestima. Observe as atividades de que seu filho mais gosta de realizar e que pratica com entusiasmo. Pode ser um esporte, uma arte (pintura, escultura, desenho, música, dança), uma imaginação muito fértil que lhe permite criar sempre histórias novas todos os dias, o gosto pela jardinagem, pela culinária, pela leitura, etc.

Se ela gosta de esportes, mostre para ele diferentes modalidades, leve-o a competições, apresente a ele os grandes nomes do esporte. Se a criança já tiver se definido por uma modalidade, leiam a respeito da história desse esporte, pesquisem sobre recordes e a biografia dos principais esportistas. Pratiquem juntos. Estimule-a a entrar para uma aula do esporte ou mesmo fazer parte de um time.

Essa mesma iniciativa pode ser colocada em prática para qualquer área de interesse de seu filho. O objetivo é fortalecer sua autonomia, confiança, ao mesmo tempo em que ela constrói sua identidade. Certamente ser bem sucedido em uma atividade vai lhe dar ânimo e esperança para se arriscar em outras atividades.

Além disso, essas outras áreas em que a criança tem facilidade e interesse podem ser usadas para ajudá-la a se interessar e aprender mais em outras. Um exemplo: à criança que gosta de desenhar ou pintar, sugira freqüentemente atividades que envolvam pintura ou desenho como reforço de um conteúdo que ela ainda não dominou.


Participe da 8ª Jornada da Alfabetização em Casa. Cadastre-se e faça parte desse evento online e gratuito que já transformou a vida de mais de 100.000 famílias!

Deixe suas dúvidas e opiniões aqui embaixo! Obrigado por compartilhar nosso conteúdo!

4 Comentários


  1. Seus métodos de aprendizado soa ótimos,pena que eu não posso comprar o seu curso,pois meu filho já vai fazer 8 anos e ainda não sabe ler,é isso me deixa muito triste,já fiz de tudo mas não sei como fazer ele ler,ele tem muita dificuldade, beijos

    Responder
    1. Pâmela Arumaa

      Olá, Janete.

      Você já fez o download gratuito do nosso e-book? Para isso, basta se cadastrar conforme indicado no link abaixo.

      Clique aqui: http://www.comoeducarseusfilhos.com.br/ebook-5-etapas/

      Você receberá um email de confirmação, nele constará um link que lhe redirecionará à página do arquivo.

      Creio que ele será muito útil, assim como todo o conteúdo do nosso blog, para lhe auxiliar com seu filho.

      Conte conosco!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *